sexta-feira, 25 de outubro de 2019

La Anunciación y la expulsión de Adán y Eva del jardín del Edén

por aqui

Por sugestão de Melville, Billy Budd, Relógio D'Água, 2017, p. 89 onde se pode ler:

"Ao vê-los, o Papa desse tempo admirou a sua estranha beleza, com faces claras e rosadas  e cabelo loiro, tão diferente do tipo italiano, e exclamou:  « Anjos, (querendo dizer Inglês, o derivado moderno). É anjos que lhes chamais? E chamais-lhes assim porque se parecem com anjos?» Se esta cena se tivesse passado mais tarde, podia pensar-se que o Papa tinha em mente os serafins de Fra Angélico colhendo maças nos jardins das Hespérides, alguns dos quais têm uma tez de botão de rosa, como as mais belas raparigas inglesas."

terça-feira, 22 de outubro de 2019

os livros

- Kraus, qual a sua relação com os livros?

- A minha paixão é a de ter sempre mais e mais livros (nunca fotocópias); é, se quiser, a de morrer soterrado em livros que não servem nem poderão servir para nada. É a paixão pela inutilidade.


(da entrevista a 'o Pristino')

terça-feira, 27 de agosto de 2019

Svengali (D: Archie Mayo, 1931)


O self

- Kraus, você se considera um self made man?
- Não, não sou nenhum Tarzan. Sou antes um selfie made man!

(Diálogos da Lusofonia, p. 14)

sexta-feira, 5 de julho de 2019

Estados de espírito

"E o que era a vontade duma menina de cinco anos? Uma onda que a energia  humana apenas modula; um desejo de vida, com os seus recursos de amor e fúria."

Agustina Bessa-Luís, As Pessoas Felizes, p.34.

O si próprio

- como gostaria de ver-se a si próprio, Kraus?
- Através dos olhos de uma mulher jovem, magra, de altura mediana, com óculos, sem adereços vistosos e de bata branca. Gostaria de ver o potencial do 'avelhado apresentável', a doença, a pobreza e  escárnio, a falta de jeito (clumsiness) e de como surge a atração no olhar...

(da entrevista a 'o Pristino')

sábado, 1 de junho de 2019

A vida no campo

- Kraus, como é a vida no campo?
- uma merda. Enjoa a pesticidas ou a criolina. Acorda-se e os motores a gasóleo invadem-nos.
O Shabat é sistematicamente violentado pelas máquinas de corte. Os transportes cheiram quase sempre a bosta de vaca ou a coisas piores. Não se pode andar a pé; não havendo passeios põe-se em risco a vida no campo! E tudo fica longe. E o plástico? ai, ai.
Uma merda querer ser romântico na era da técnica. Como se houvesse natureza num prado...

Puta que pariu os ruralistas.

Excerto de entrevista publicada no jornal 'O Prístino' (27/8/16).

quinta-feira, 9 de maio de 2019

Kraus não é bem bem!

Uma ex-namorada de Kraus

As pessoas que eu mais amo, acima de tudo, são as árvores.

Kraus
De que vale um suicídio na infinidade do tempo?

Kraus

quinta-feira, 7 de março de 2019

Os importantes movem-se nos aeroportos, nos palacetes e nos caixotes de lixo.

Kraus

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

O silêncio é o pior remédio.

Kraus